em Notícias

    Curso NR 10 – Segurança em Instalações e Serviços com Eletricidade

    O eSocial foi criado por meio de um decreto em 2014 e entrou em vigor no ano passado. O sistema agrupa informações completas de empregadores e empregados, e foi dividido em fases com prazos diferentes, de acordo com o porte das organizações, a fim de facilitar a adequação, principalmente das menores.

    Após sofrer muitas críticas de empregadores, o tema parecia estar bastante pacificado, todavia depois da declaração vaga do secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia, Carlos Alexandre da Costa, de que o governo poderia acabar com o eSocial (Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas) fez todo o mercado olhar atentamente para possíveis mudanças no eSocial.

    Matéria na folha de São Paulo intitulada “Governo planeja acabar com eSocial e criar novo sistema” confirma grande descontentamento dos empresários com relação ao eSocial, certamente a ausência do famoso “jeitinho” está causando dificuldades para muitos, porém não há chance de extinção do eSocial, afinal  o prejuízo seria muito grande para o governo federal, que já investiu muitos milhões de reais na plataforma e para as empresas que desenvolveram e as que adquiriram softwares compatíveis com a plataforma.

    O sistema está muito burocrático e moroso, poderia haver simplificações, porém traz ganhos na qualidade da informação e na gestão mais cautelosa na manutenção da folha de pagamento e encargos”, comenta Dilma Rodrigues, diretora de RH da Attend Assessoria Consultoria e Auditoria S/S.

    Integrantes da Equipe do Ministro Paulo Guedes (Economia), contudo, são contra a extinção por verem a plataforma como necessária, Mesmo assim, preparam um corte de 50% nas informações demandadas pelo governo das empresas. Hoje, cerca de 1800 dados chegam a ser solicitados.

    Sobre os prazos?

    Enquanto não temos definições claras, os prazos continuam, empresas com faturamento superior a R$ 78 milhões devem fazer o primeiro envio dos eventos de Segurança e Saúde no Trabalho (SST) até o dia 7 de julho deste ano.

    Para as empresas com faturamento inferior a R$ 78 milhões, a entrega das informações de Segurança e Saúde no Trabalho começa em janeiro de 2020.

    Consultoria eSocial

     

    Postagens Recomendadas