em Notícias

    De acordo com o anúncio feito pelo Secretário Especial de Previdência e Trabalho, para o ano de 2020, uma série de alterações serão realizadas no Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas – eSocial, com o objetivo de torná-lo mais moderno, simples e eficiente.

    Conforme divulgado, o objetivo é substituir o eSocial por dois novos sistemas. Embora se fale muito na extinção do eSocial, anúncios realizados por autoridades e notícias divulgadas em páginas do Governo indicam que, na verdade, a ideia é promover uma grande atualização do sistema, implementado o “novo eSocial”.

    Veja os principais pontos da atualização:

    – Redução do número de eventos;

    – Expressiva redução do número de campos do leiaute, inclusive pela exclusão de informações cadastrais ou constantes em outras bases de dados (ex.: FAP) ;

    – Ampla flexibilização das regras de impedimento para o recebimento de informações (ex.: alteração das regras de fechamento da folha de pagamento – pendências geram alertas e não erros);

    – Facilitação na prestação de informações destinadas ao cumprimento de obrigações fiscais, previdenciárias e depósitos de FGTS;

    – Utilização de CPF como identificação única do trabalhador (exclusão dos campos onde era exigido o NIS);

    – Simplificação na forma de declaração de remunerações e pagamentos.

    Se o eSocial deve mudar ou acabar, vale recordar a sua curta trajetória até aqui: criado por meio de um decreto lançado ainda no primeiro mandato do governo de Dilma Roussef, o eSocial só foi implementado quatro anos depois a partir de uma série de ajustes e correções no próprio DNA da plataforma.

    Quando enfim passou a ser obrigatório para as empresas, descobriu-se que o envio de informações dos trabalhadores mais atrapalhou do que ajudou.

    Consultoria eSocial

     

    Postagens Recomendadas